Apatia em cães

A maioria dos tutores de cães já ouviu falar no termo “apatia”, porém alguns deles não compreendem perfeitamente o que essa palavra quer dizer. Dentro da medicina, tanto na veterinária quanto na humana, é bastante utilizada essa expressão para alegar que o paciente não demonstra emoção ou motivação para estímulos. Compra Mochilas Kanken Fjallraven España Esse nome apatia tem origem grega chamada de Apátheia que significa “Aquilo que afeta o corpo e a alma”. Na maioria das doenças de animais domésticos, dentre ele os cães, é possível observar a presença de apatia bem clássica. Fjallraven Kanken Kids Essa mudança na conduta do animal é observada primeiramente pelo seu tutor, quando o mesmo alega para o médico veterinário uma mudança brusca no comportamento do seu pet.

A apatia pode aparecer em cães por inúmeros motivos, desde os mais leves até sérios problemas de saúde. Uma das doenças mais comuns onde são observados os sintomas da apatia, são as doenças virais, como a: Cinomose, Parvovirose, Coronavirose , entre várias outras. Não obrigatoriamente as doenças virais são as vilãs para o aparecimento desses sintomas. Comprar Nike Air Max Baratas Normalmente, qualquer anormalidade no estado de saúde de um animal, fará com que ele apresente um quadro de apatia. É nesse momento que os tutores observam que há alguma coisa errada com o seu animal e o levam para uma consulta com um médico veterinário.

Não necessariamente a apatia aparece sozinha no animal. Muitas vezes, o animal apresenta concomitantemente um quadro de vômito, diarréia ou até mesmo uma desidratação grave. Como afirmado no início do texto, o primeiro a observar o sintoma é o tutor, quando o cão não responde mais às brincadeiras e nem à voz de comando. New Balance Pas Cher En Ligne Um animal que antes pulava e abanava o rabo quando via seu tutor, no momento que apresenta apatia, apenas olha, mas não esboça emoção alguma. Muitas pessoas chegam à clínica veterinária alegando que seu cão está “tristinho” há alguns dias.

Foto: ReproduçãoFoto: Reprodução

Assim como várias outras anormalidades no comportamento do cão, é importante que tenha a opinião de um profissional da área, o médico veterinário. É importantes lembrar que a apatia não é uma doença, e sim um sintoma. nike air max 2016 goedkope A avaliação feita pelo profissional é investigativa, a fim de diagnosticar a causa que levou o animal a ter essa mudança de comportamento. São feitos vários tipos de exame, tanto laboratoriais quanto exames físicos. É nesse momento que são descobertas as possíveis causas.

O tratamento é feito a partir de quando se encontre a causa originária que levou ao sintoma. O sintoma de apatia irá desaparecer de acordo da doença que foi diagnosticada e a resposta do animal ao tratamento. hogan scarpes outlet Existem cães que no terceiro dia de tratamento já se pode ser observado a volta do seu comportamento normal, isso dependerá da resposta de cada animal. Faça o tratamento somente com um profissional habilitado. Não consulte seu animal com atendente de petshop, pois o diagnóstico feito por ele pode estar totalmente errado, comprometendo assim, a vida do seu animal.

A prevenção para que não ocorra a apatia consiste na vacinação anual do seu cão e a ida rotineira para uma avaliação numa clínica veterinária. O correto é levar o animal a um médico veterinário assim que ele apresentar qualquer anormalidade no seu comportamento.

Primeiros socorros: Cães engasgados

Os cães são animais magníficos e companheiros inseparáveis, porém muitas vezes dão verdadeiros sustos aos seus tutores que, muitas vezes, chegam a ficar desesperados com a presença de um problema de saúde. kanken fjallraven Existem muitos casos em que o animal necessita de uma intervenção imediata por parte de uma pessoa, fazendo com que seja executada uma manobra que pode salvar a vida do pet em um momento de emergência. É sempre importante que pessoas que tem cães em casa saibam fazer algumas manobras de primeiros socorros, para que em seguida possa levar o animal a uma clínica veterinária o mais rápido possível. Existem inúmeros casos em que os primeiros socorros são necessários, principalmente no caso de engasgos. É importante que os tutores de cães estejam sempre atentos e observem certos cuidados para que o animal não sofra uma obstrução. O engasgo é algo sério e pode levar o animal à morte.

Antes de citar alguns fatores que levam o cão a se engasgar, é importante o tutor ter em mente que o cão costuma por tudo que vê na boca, fazendo com que ele fique bastante vulnerável. Existem várias causas que levam os cães a ficarem engasgados, sendo na maioria das vezes, certos maus hábitos por parte dos criadores. O principal vilão e precursor da maioria dos engasgos são pedaços de ossos, como os de galinha, bovino, suíno, não deixando de fora as espinhas de peixe. Além de causar obstrução, os ossos e espinhas podem causar perfurações nos órgãos internos do animal. Outro fator bastante comum são pequenos objetos que o animal pode facilmente pôr na boca e ingerir, como: Pilhas, moedas, tampas de caneta e etc. Pedaços grandes de comida, também podem ser causadores de engasgos.

Foto: ReproduçãoFoto: Reprodução

Os sinais clínicos que o animal apresenta são bem típicos, fazendo com que o tutor observe-os logo em seguida da obstrução. Pode ser observado:

– O animal apresenta bastante sialorréia (Excesso de saliva que flui para fora da boca);

– O cão fica totalmente inquieto;

– É observada uma tosse constante;

– Ocorre uma dispnéia (dificuldade respiratória);

– Repetidas tentativas de vômito;

– Pode ser observado um choro por parte do animal.

Assim que o cão apresentar sinais clínicos parecidos com os citados acima, o tutor deve ligar imediatamente para o médico veterinário. Caso o quadro do animal esteja bastante grave, ou seja, o animal não consiga respirar e o profissional esteja a caminho pode ser utilizado certo método emergencial a fim de estabilizar o quadro até a chegada do médico veterinário.

O que fazer se o seu cachorro estiver engasgado

Primeiro leve o seu cão a um ambiente limpo e com uma boa iluminação. Em seguida, abra a boca do animal e tente visualizar se há alguma obstrução visível. Mochilas Kanken Big Se estiver muito escuro, pode ser usada uma lanterna. Caso não apareça nada obstruindo, não ponha a mão na garganta do animal, isso só irá piorar o quadro. Em situações que são visualizados objetos, certifique-se do que se trata, pois na esperança de remover o objeto, poderá agravar ainda mais o quadro, como no caso de um anzol preso na garganta, por exemplo.

Outro método que pode ser utilizado na emergência é a manobra de Heimlich. Bastante utilizada em seres humanos, essa técnica pode salvar a vida do animal de estimação também. Essa manobra é normalmente utilizada em engasgo com corpo estranho não perfurante, como: pequenas bolas, moedas, e etc. Em caso de ingestão de objetos pontiagudos ou cortantes, não é indicada a execução da técnica. Avec Asics Repita a manobra 5 vezes, em caso de não haver efeito, não insista.

Caso o animal não responda a nenhuma tentativa, leve-o imediatamente a uma clínica mais próxima. Entre em contato com o médico veterinário que você havia chamado e explique a situação. nike air max 2017 femme Existem obstruções em que é necessária a intervenção cirúrgica de emergência. Goedkoop Adidas Superstar Não fique tentando desobstruir, pois o animal pode chegar a óbito em suas mãos.

A prevenção para que o animal não sofra com engasgos é fazer um manejo correto. Nunca oferte alimentos que contenham pequenos ossos ou espinhas de peixe, pois o animal tentará quebrar os ossos em lascas afiadas e depois ingerí-las. air max pas cher Não deixe objetos pequenos no chão, como: Borracha de balões estourados, tampa de caneta, bola de gude e outros.

Como saber se o gato está sentindo dor?

Existe uma lenda em torno dos gatos que faz com que muitas pessoas, inclusive tutores, acreditem nela. New Balance Pas Cher A lenda afirma que os gatos possuem sete vidas, levando as pessoas a entenderem que os gatos são muito resistentes. Essa afirmação é totalmente errônea, pois os gatos são um dos animais mais sensíveis e frágeis que existem. Os gatos, antes mesmo de serem domesticados, faziam parte da natureza, e por isso muitas vezes eram presas para animais maiores. Por conta dessa situação, eles não demonstram quando sentem dor ou estão doentes para que o predador não perceba. Para que o tutor perceba que o gato está com dor, é necessário que ele conheça bastante seu pet e tenha uma atenção redobrada.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

A dor pode ter inúmeras causas, necessitando sempre de uma consulta com um médico veterinário para uma avaliação minuciosa. No entanto, existem sinais clínicos que os felinos podem demonstrar quando estão sentindo dor. É importante enfatizar, que os gatos só demonstram a dor quando ela já está em um grau de moderada a grave. Nas dores classificadas como leve, os pets não apresentam nenhuma alteração no seu comportamento. Os principais sinais clínicos relacionados à dor, são:

Inapetência ou Anorexia: Essa é uma das primeiras sintomatologias a aparecerem no felino. Fjallraven Kanken Kids Os gatos, quando estão doentes ou com bastante dor, evitam a ingestão do alimento. Goedkoop New Balance Por mais que este seja o preferido deles. A ingestão forçada com “seringas” é totalmente inadequada, pois a comida pode ir para o pulmão e causar uma pneumonia aspirativa. Os gatos não podem deixar de comer por muitos dias, por isso é necessário levá-lo imediatamente à uma clínica para internar.

Escondendo: Os gatos quando sentem dor costumam se isolar. Os locais preferidos são os escuros e estreitos, como: Debaixo do sofá, buracos e etc. Eles costumam ficar horas e até dias naquela mesma posição.

Agressividade: A agressividade pode ser um sinal de que seu animal está sentindo dor. Existem animais que chegam a morder ou arranhar apenas com a menção do dono em pegá-lo.

Comportamento: Os gatos mudam a fisionomia, igualmente ao ser humano, quando sentem dor. O pet costuma deixar os olhos entreabertos, apresentar movimentos lentos e até mesmo vocalizar miados longos. Isso pode ser um indicativo bem clássico da dor.

Prostração: Esse sinal clínico ocorre em dores severas. O animal, muitas vezes, não consegue manter seu corpo em pé. New Balance Goedkoop Existem casos em que o quadro é tão grave, que o gato não consegue nem reagir agressivamente, apenas vocaliza um miado longo. A intervenção médica deve ser imediata.

É importante que o tutor observe todo dia o comportamento do seu animal de estimação. Não necessariamente o animal apresentará todos as sintomatologias apresentadas anteriormente. Scarpe Nike A consulta com o médico veterinário deve ser indispensável nessas horas. Na maioria das vezes, é necessária a internação para uma estabilização do quadro clínico.

Leucemia Viral Felina (LVF)

Não é muito difícil encontrar pessoas que já ouviram falar em leucemia em seres humanos. No entanto, desconhecem que os animais, mais precisamente os gatos, podem desenvolver essa doença. Por mais que o nome seja parecido com a que acomete os humanos, a leucemia dos felinos é transmitida de animal para animal, diferentemente do que acontece nos seres humanos, já que a deles não é transmissível. Como o próprio nome já diz, essa moléstia é causada por um vírus, chamado de FeLV (Feline Leukemia Vírus) que leva milhões de gatos ao óbito em todo o mundo. Essa doença ataca o sistema imunológico do felino, fazendo com que ocorra uma diminuição dos anticorpos, conseqüentemente o pet fica totalmente vulnerável a outras moléstias.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

A transmissão ocorre somente de gato para gato. Asics Pas Cher Site Officiel É importante lembrar que a LVF só acomete os felinos, não sendo ameaça para o ser humano, isto é, não se trata de uma zoonose. nike air max 2016 dames Uma simples saliva, contato com sangue ou uma secreção nasal do animal doente, pode ser o suficiente para um gato sadio ser infectado. A Leucemia Viral Felina é extremamente contagiosa, por isso o tutor deve tomar sérias medidas preventivas para que o pet não seja exposto ao vírus.

Não é porque o animal foi infectado que ele apresentará sintomas. chaussures asics homme pas cher A LVF, assim como várias outras doenças, pode se apresentar de forma assintomática, ou seja, o animal não apresenta nenhum sintoma da moléstia. Contudo, a grande maioria dos animais infectados, apresenta a forma sintomática.

Os principais sinais clínicos que o gato poderá apresentar quando estiver infectado pelo FeLV, são: Perda de apetite; Diminuição na ingestão de água; Presença de secreção ocular e nasal; Dificuldade respiratória; Perda de peso; Letargia; Febre; Diarréia; Anemia severa, ocasionando mucosas pálidas; Presença de linfonodos (ínguas) em várias partes do corpo; Depressão e morte.

A sintomatologia pode variar de animal para animal, por isso não tome atitudes precipitadas, procure um profissional para uma avaliação.

O diagnóstico deve ser feito por um médico veterinário de sua confiança. O exame clínico deve ser indispensável, pois isso fará que o profissional descarte outras doenças que possuem sintomatologias semelhantes. Nike Pas Cher Porém, o que irá fechar o diagnóstico de forma mais segura e eficaz, é o exame laboratorial.

Infelizmente, ainda não existe um tratamento que possa levar à cura do gato. O que os médicos veterinários executam é um tratamento de suporte para amenizar os sinais cínicos que o animal apresenta, a fim de proporcionar uma melhor qualidade de vida. Animais que são portadores do FeVL, tem uma estimativa de vida de 1 a 5 anos.

A melhor forma de combater a Leucemia Felina é fazendo uma boa prevenção, principalmente através da vacinação anual. nike air max pas cher Atualmente, existe a vacina para a LVF, sendo disponibilizadas em consultórios, clínicas e hospitais veterinários. Uma outra forma bastante eficaz, é sempre manter o pet dentro de casa. nike femme Isso evita muito o contato com o vírus. Animais que são soltos na rua, para caçar ou passear, são bem mais susceptíveis à infecção.

Síndrome do Cão Nadador (SCN)

A síndrome do cão nadador não tem nada haver com o nadar propriamente dito. A Síndrome do Cão Nadador, ou também conhecida dentro da medicina veterinária comoHipoplasia Miofibrilar, é uma alteração anormal no desenvolvimento dos filhotes de cães. A SCN pode acometer cães de todas as raças, no entanto estudiosos afirmam que existem raças que são mais predispostas que outras, como por exemplo: Cocker Spaniel, Bulldog Inglês, Bulldog Francês, Basset Hound, Dachshund, YorkShire Terrier, entre outras. Existem outros estudos que, por sua vez, relatam que a maior ocorrência acontece em cães de patas curtas, porém não existe nada comprovado.

As causas para o aparecimento da Hipoplasia Miofibrilar, na sua grande maioria, estão relacionadas com genes passados dos pais para os filhotes. Outro fator bastante importante, que também pode ser responsável pela anormalidade no desenvolvimento, é a alteração no metabolismo muscular, devido à insuficiência de Glicose-6-Fosfatase. Fatores ambientais também podem contribuir ao agravamento do quadro, como por exemplo o chão escorregadio.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Antes mesmo de um mês de vida do filhote, variando entre a segunda ou terceira semanas, os tutores já começam a notar facilmente os sinais clínicos que os pets apresentam, pois é nesse momento que o animal tende a se locomover usando suas patas.  Os principais sinais clínicos observados pelo tutor, são: O sintoma da hiperextensão dos membros, acometendo tanto os anteriores quanto posteriores, fazendo com que o abdômen e o tórax do pet fiquem em constante em contato com o chão; Dificuldade de locomoção; A dispnéia (dificuldade respiratória) também pode ser observada ; O animal pode apresentar a constipação intestinal; Devido ao contato constante com o piso, pode apresentar escoriações ou úlceras; O sopro cardíaco pode ser encontrado nesses cães, porém conforme forem crescendo, o sopro tende a diminuir.

Os cães acometidos pela Síndrome do Cão Nadador, normalmente tendem a se desenvolver menos e ter perda de peso, pois no momento da disputa entre os filhotes pela comida, a dificuldade de locomoção prejudica severamente. É importante que esse cão tenha uma assistência do tutor constantemente, tanto no momento do banho de sol quanto na refeição.

O diagnóstico deve ser feito unicamente por um médico veterinário. É feito o exame clínico do animal minuciosamente, a fim de perceber mais alterações no corpo do pet. Alguns profissionais solicitam exames para que se possa ver o desenvolvimento da SCN, e nesse caso é bastante utilizado o raio-X.

O tratamento, na maioria dos casos, consiste na fisioterapia diária. Outros fatores podem ser importantes na melhora do quadro, tais como: Nutrição correta, Peso ideal, Piso que não seja liso , entre outros. O prognóstico da Hipoplasia Miofibrilar vai de bom a ótimo, tendo 95% dos animais recuperados sem nenhuma seqüela. Em casos mais graves da SCN, a intervenção cirúrgica deve ser adotada, e conseqüentemente a fisioterapia intensiva. É importante que a fisioterapia seja feita por um médico veterinário especialista na área, para que o tratamento seja mais rápido e preciso.

Por: George Augusto von Schmalz Portella de Macedo