Aromaterapia para cachorros

Atualmente, no mundo inteiro, inúmeras pessoas deixam de tomar remédios fabricados por grandes empresas farmacêuticas, para utilizar tratamentos alternativos e naturais, que alegam fazer o mesmo efeito que os medicamentos convencionais. A fitoterapia é uma técnica na qual se utilizam plantas medicinais com a finalidade de executar um tratamento a certas doenças. Dentro da fitoterapia, existe um ramo que muitas pessoas vêm se aprofundando e afirmando sua eficácia, chamado de aromaterapia. Como o próprio nome diz, esse ramo fitoterápico é aplicado através dos aromas das plantas medicinais, de onde se extrai o óleo essencial. É importante esclarecer que essa terapia é um tratamento de suporte, fazendo assim que seja indispensável a avaliação do animal por um médico veterinário.

Foto: ReproduçãoFoto: Reprodução

Esse tipo de tratamento auxiliar foi primeiramente muito usando em seres humanos, quando começaram a perceber melhoras significantes no quadro de saúde das pessoas após o uso da aromaterapia. Tendo em vista que os cachorros têm o faro bem mais aguçado que os seres humanos, foram feitos testes nos cães, conseguindo-se resultados satisfatórios, principalmente em casos de controle de temperamento. Foi observado que cães hiperativos, estressados,  bravos e etc, com o uso da aromaterapia, apresentaram uma regressão nesses picos de temperamento. Muitas pessoas se perguntam: Mas como um simples cheiro pode ajudar o animal como uma terapia de suporte? É muito simples! Qualquer substância volátil, quando inalada, é enviadas para o SNC (Sistema Nervoso Central), localizado no cérebro. É a partir daí, que a aromaterapia começa a fazer seu efeito. São estimuladas e liberadas substâncias químicas no cérebro que irão regular várias funções no corpo do animal, tais como: Humor, apetite, sono e entre várias outras.

Os óleos utilizados devem ser aplicados em certas localidades para que haja efeito no animal. É importante esclarecer, que a aromaterapia não pode ser administrada via oral e nem ao redor de olhos, boca e órgãos genitais. Essa prática pode ser muito benéfica ao animal, porém utilizados na localização errada, e com a dosagem acima do recomendado, pode causas sérios problemas de saúde no seu pet.

Como afirmado anteriormente, não se deve fazer o tratamento sem a ajuda de um profissional. Existem doenças em cães que são bastante graves e requerem internação e tratamento intenso. Qualquer anormalidade no animal deve-se, primeiramente,  procurar investigar qual é a causa da mudança de comportamento. Um diagnóstico errado e um tratamento de suporte errado pode levar à piora do quadro do animal e, conseqüentemente, à morte do mesmo. Por isso é importante a consulta a um médico veterinário nessas horas.

Muitos médicos veterinários são céticos quando se fala em fitoterapia e aromaterapia. Nem todos os animais podem passar por tratamento de aromaterapia, já que existem sérios problemas de saúde que não favorecem essa prática. Procure uma opinião do médico veterinário de sua confiança. A terapia alternativa pode ser uma excelente escolha para ajudar seu animal a se recuperar e melhorar o seu temperamento, porém, apenas quando liberado pelo médico veterinário e feito por um profissional habilitado.

Casa para arquiteto nenhum botar defeito

Gatos e arquitetura sempre combinam. E não há nada mais moderno do que uma casa minimalista e rústica, certo? E para ficar ainda mais elegante, basta colocar um gato dentro:

Gato casa

Gato casa

Arrisca projetar e construir uma igual?

As peças de madeira garantem as tocas elevadas que os gatos tanto amam.

Gato casa

Encontrei esta casa no site Matéria Incógnita, e descobri que este é o mais minimalista entre os projetos de arquitetos de Los Angeles que toparam participar da campanha de arrecadação de fundos para a FixNation, ONG de proteção aos felinos da Califórnia. Nos EUA, gatos são abandonados com frequência nas ruas e passam o resto da vida esperando por um lar. Para você ter uma ideia, por lá o número de felinos é maior do que o de cães (80 milhões contra 66 milhões).

A campanha também contou com outras casas de tirar o fôlego. Dá uma olhada em algumas:

Casa de gatoCasa de gatoCasa de gatoCasa de gatoCasa de gato

Fonte: http://www.gateiro.com.br/

Núcleo Vet

Proibição de cachorros em condomínios e casas

Cachorros podem ou não viver no apartamento junto com seus tutores? É realmente permitido proibir cães em condomínios? As dúvidas são recorrente e os problemas parecem não ir embora. De um lado os inquilinos e proprietários, e do outro donos de casas disponíveis para aluguel ou a administração de condomínios.

Em uma sociedade que cada vez mais os cachorros e animais de estimação no geral são considerados parte da família, a procura de uma residência ou permanência em um condomínio pode se tornar um pesadelo e muitas disputas intermináveis pelo direito de o cão ficar na casa acabam tendo como campo de batalha os tribunais.

A falta de noção do significado do pet não fica só restrita nas administrações e síndicos, mas permeia em muitos profissionais da área imobiliária, com exemplos bizarros de falta de tato e conhecimento. Ao procurar uma casa, é comum alguns tutores ouvir “Você precisa mesmo levar o seu cachorro para a casa nova?“, já que muitos prédios proíbem a permanência. Essa pergunta não é feita para mães e pais, ainda assim, tutores ainda têm que escutar esse tipo de absurdo. Não comparando completamente os papéis, porém, em ambos, há um semelhança vital que os une: pais e tutores são responsáveis por aquele ser vivo. Não é uma opção abrir mão deles e deixá-los.

Ou seja, a questão é não é ceder simplesmente, mas conhecer seus direitos e deveres e garantir que eles sejam respeitados. Independente de onde você estiver no processo, desde o contato com agências imobiliárias ao tratamento com um síndico, o melhor argumento é a lei.

Foto: Arquivo pessoal

Nesse caso, a questão primordial é descobrir se essas proibições são previstas na lei brasileira e até onde essas atitudes não passam de arbitrariedades.

A verdade é que nenhum síndico ou proprietário pode proibir a permanência de animais de estimação em seu apartamento ou casa, isso faz parte do seu direito de propriedade.

Mesmo que as regras do condomínio proíbam de alguma maneira a presença de cães, elas não podem ir contra e não são maiores que a Constituição Federal, código maior do país, ou o Código Civil.

Apenas um Juiz de Direito pode, depois do tutor apresentar sua defesa, ordenar a retirada do animal. Essa decisão deve ser tomada apenas depois do processo conter provas inequívocas e o animal de fato apresentar algum perigo ou causar desassossego.

Se o animal está há 5 anos morando na propriedade e nunca houve nenhuma reclamação, não é possível mudar as regras do condomínio no meio do caminho, esse é um direito adquirido.

Mesmo que seja votada uma alteração na convenção do condomínio, assim proibindo a permanência de animais, essa medida não poderá ser aplicada para o seu pet.

Os tutores que não estiverem satisfeitos poderão perfeitamente procurar a justiça para resolver suas disputas. Na maioria dos casos, os Juízes favorecem a permanência do animal.

Em contrapartida, é importante que o tutor seja responsável e garanta que a presença do cão não represente riscos à saúde, segurança ou incômodo comprovado ao sossego dos vizinhos.

Saiba tudo que você precisa saber sobre os direitos e deveres dos tutores quando o assunto é a permanência de seus cães no condomínio.

Direitos do Tutor

– A Constituição Federal  assegura o cidadão ao direito de propriedade  (Art. 5º, XXII e Art. 170, II), ou seja, o condômino pode manter animais em casa ou apartamento, portanto que a permanência deles não atrapalhe ou coloque em risco a vida dos outros moradores;

Cachorros em apartamentos. Foto: Reprodução

– Proibir visitantes de entrarem com seus cães é configurado constrangimento ilegal (Art. 146 do Decreto lei Nº 2.848/40). Os animais visitantes devem seguir as mesmas regras dos pets que vivem no local;

– Cães dóceis e que não representam perigo a terceiros não precisam usar a focinheira. A obrigação desnecessárias da focinheira, até mesmo em cães de pequeno porte, desrespeita a dignidade do animal e é configurado crueldade e crime de maus-tratos (Art. 32 da Lei Nº9.605/98 e art. 3º, I do Decreto Nº24.645/34);

– De acordo com o Art. 5º da Constituição Federal, o direito de “ir e vir” garante que o condômino ou visitante possa utilizar o elevador com seu animal;

– Obrigar qualquer pessoa a utilizar escadas com o animal é considerado constrangimento ilegal (Art. 146 do Decreto-lei Nº 2.848/40) e maus-tratos (Art. 32 da Lei Nº9.605/98 e art. 3º, I do Decreto Nº24.645/34). Deve-se lembrar das pessoas que não podem, por motivos físicos, utilizar as escadas. O tutor deve manter o cão em uma guia curta, para que o mesmo não se aproxime de outras pessoas;

– O condomínio não pode obrigar o tutor a levar o animal no colo. Isso impossibilitaria no caso de cães de grande porte e no caso de tutores que não podem, por motivos físicos, carregar o cão. Essa situação também se aplica no tópico de constrangimento ilegal (Art. 146 do Decreto-lei Nº 2.848/40);

– Portanto que o animal não represente um risco à saúde, sossego e segurança dos demais, o animal poderá transitar nas áreas comuns do prédio. Impedir o acesso fere o tópico do direito de “ir e vir” (Art. 5º da Constituição);

– Casos de ameaças (como envenenamento) ou proibições ilegais (como não dar acesso ao elevador), devem motivar boletins de ocorrência contra o autor por configurar constrangimento ilegal (Art. 146 do Decreto-lei Nº 2.848/40) e ameaça (Art. 147 do Decreto-lei Nº 2.848/40).

Deveres do tutor

– O tutor deve manter o cão próximo ao corpo, utilizando uma guia curta, nas áreas comuns do prédio. É responsabilidade do tutor garantir a segurança de todos (Art. 10 da Lei Nº 4.591/64 e Art. 1.277, Art. 1.335 e Art. 1.336, IV da Lei Nº 10.406/02);

Deveres do tutor. Foto: Reprodução

– Cães de porte grande ou que apresentem comportamento agressivo, devem utilizar focinheira sempre que estiverem nas áreas comuns do prédio (Art. 10 da Lei Nº 4.591/64 e Art. 1.277, Art. 1.335 e Art. 1.336, IV da Lei Nº 10.406/02);

– Crianças pequenas não devem ser deixadas com cães e sozinhas nas áres comuns do prédio;

– Respeitar o próximo é a chave para a boa convivência. Portanto, se você conhece alguém que tem medo ou não gosta de cachorro, evite que o seu cão tenha contato com a pessoa, por exemplo, esperando o próximo elevador. No geral, mantenha sempre o seu cão em guia curta, enquanto ele estiver nas áreas comuns do prédio, e não deixe que ele se aproxime de terceiros, a não ser que tenha autorização.  (Art. 10 da Lei Nº 4.591/64 e Art. 1.277, Art. 1.335 e Art. 1.336, IV da Lei Nº 10.406/02);

– É responsabilidade do tutor limpar todos os dejetos de seu cão nas áreas comuns. Não só os dejetos sujam as áreas comuns, incomodam outros condôminos e são potencialmente perigosos em transmissão de doenças (Art. 10 da Lei Nº 4.591/64 e Art.1.336, IV da Lei Nº 10.406/02);

– O tutor deve manter também as áreas privadas de sua casa limpa, impedindo o mau cheiro e garantindo a saúde do animal. Não fazer isso pode ser considerado crime de maus-tratos (Art. 32 da Lei Nº9.605/98 e art. 3º, II do Decreto
Nº24.645/34);

– Latidos intermináveis e barulhos podem tornar a vida do seu vizinho um inferno. É de responsabilidade do tutor que a presença do cachorro não prejudique a vida dos demais e o bom funcionamento do local.  (Art. 42, IV do Decreto-Lei Nº 3.688/41). Para esse problema, um especialista em comportamento deve ser chamado e uma conversa com os prejudicados é o primeiro caminho, com o intuito de avisar sobre medidas tomadas para que haja uma mudança;

– Continuando com os barulhos e ruídos que incomodam, as unhas do cão entram nessa lista de repetições insuportáveis. O sossego deve ser respeitado, caso contrário, o tutor pode sim chegar a ser preso. (Art. 42, IV do Decreto-Lei Nº 3.688/41).

A busca de um meio-termo na convivência

Conhecer os direitos e deveres seus e de seus cães é fundamental, não só para essa situação, mas para a vida. A questão é que deve-se sempre buscar um meio-termo e uma convivência amigável.

Esteja ciente dos possíveis problemas que o seu cão possa estar causando, e se as reclamações têm ou não embasamento. Se sim, fingir que o problema não existe e permitir que o bem-estar do seu vizinho seja prejudicado não pode ser uma opção. Então, aja e deixe claro para os demais que você está trabalhando na melhoria da situação.

Em casos de problemas comportamentais, chame um especialista em comportamento e peça o auxílio de um médico veterinário. Esteja sempre disposto oferecer um atestado comprovando a saúde de seu animal.

No caso das reclamações partirem de pessoas intolerantes, que não desejam conversar, e que simplesmente não querem a presença do cão, o auxílio de um advogado pode ser necessário.

O que fazer em casos de proibição de cachorros e problemas com a administração do prédio.

O que fazer em casos de problemas com a permanência do seu cão no condomínio. Foto: Reprodução

1- Uma conversa informal para que os vizinhos e síndicos estejam cientes que o tutor tem o direito garantindo pela Constituição (Art. 5º, XXII e Art. 170, II);

2- Se a conversa informal não for suficiente, o condômino deve registrar queixa por constrangimento ilegal (Art. 146 do Decreto-lei Nº 2.848/40) na delegacia de polícia civil mais próxima;

3- Entrar com ação judicial, de natureza cautelar, com o intuito de liminar a permanência do animal sob sua guarda e desqualificar a decisão do síndico ou deliberada em assembleia condominal. O mesmo caso deve ser feito em proibições de animais visitantes;

4- Em proibições de trânsito em elevador, deve-se entrar com uma ação criminal por maus-tratos (Art. 32 da Lei Nº9.605/98 e art. 3º, I do Decreto Nº24.645/34). O mesmo deve ser feito com o uso da focinheiro em animais de pequeno porte e que não apresentam risco para os demais;

5- A obrigação de levar os animais no colo, sejam eles visitantes ou moradores, nas áreas comuns do condomínios, valida uma ação de indenização por danos morais por constrangimento ilegal (Art. 146 do Decreto-lei Nº 2.848/40).

Fonte para o artigo: ANDA , Luisa Mell e JUS.

Como fazer o gato se acostumar à escovação dos pêlos

Como fazer o gato se acostumar a escovar os pelos

“É impossível escovar meu gato! Olha os arranhões na minha mão! Não tem mais jeito.”

Parece familiar? É porque essa situação é realmente muito comum. Muitos gatos simplesmente desaparecem só de ver a escova. E diante da dificuldade, a família acaba desistindo. Mas a escovação é um cuidado básico que todo gato precisa (ok, um sphynx não, mas todos os outros sim).

A escovação regular…

  • remove pêlos soltos evitando problemas por conta de bolas de pêlos
  • estimula a circulação sanguínea
  • evita formação de nós
  • distribui a oleosidade natural pelo corpo todo mantendo-o saudável
  • retira sujeiras e parasitas
  • diminui a quantidade de pêlos soltos nas suas roupas e móveis

E, sim, é possível fazer seu gato adorar a escova! Muitas vezes, o gato até ronrona e dorme – e a coisa toda vira uma verdadeira terapia de massagem e limpeza. Não importa a idade, o importante é começar aos poucos.

Escolha um momento do dia em que o gato está relaxado e passe sua mão algumas vezes pelas costas dele. Se ele continuar tranqüilo, passe a escova uma, duas vezes enquanto lhe dá um super petisco e saia de perto. Só isso basta no primeiro dia.

No dia seguinte, aumente um pouquinho o tempo, sempre associando o passar da escova a uma coisa boa (comida). No começo, evite o rosto, a barriga e as patas, que incomodam mais. Essas partes devem ser introduzidas aos poucos.

Se em qualquer momento o gato começar a agitar o rabo, pare imediatamente. Ele está ficando nervoso! É muito importante que ele esteja tranqüilo e aproveitando a sessão, para que ele não associe a escova a nada de ruim. Se ele quiser sair de perto, deixe! Segurá-lo e forçar a escovação só pioram o nervosismo dele.

Com o tempo, ele vai ficar cada vez mais confortável. Persas e gatos de pêlos longos precisam de escovação diária; mas para os de pêlo curto é suficiente uma vez por semana, então diminua a freqüência dos “treinos” aos poucos. Mantenha os petiscos por um tempo e retire-os gradativamente também. Pronto, agora seu gato pode ficar saudável, contente e relaxado!

Foto: Marlana Shipley

Núcleo Vet

A fascinante genética da cor dos gatos

genetica-cor-gatos-tricolor-escaminha-siames

Já ouviu dizer que gatas de três cores são sempre fêmeas? Pois é verdade! O gene que determina se um gato vai ser preto ou laranja está no cromossomo X, que as fêmeas têm dois (XX). Como os machos só têm um X, pois são XY, eles só podem ser ou pretos, ou laranjas, nunca os dois.

Ok, não é nunca. Raros machos têm uma síndrome, chamada Klinefelter (nome de síndrome nunca é fácil), e acabam com genes XXY – podendo ter preto e laranja. Outros podem ser quimeras – terem se formado com dois embriões – ou serem formados por um mosaico cromossômico – só algumas células são XXY. Enfim, é raríssimo.

escaminha

Só que preto e laranja são duas cores, cadê o branco? Aí que a coisa fica mais complexa ainda. O branco está em outro cromossomo, totalmente separado! E por incrível que pareça, existem três genes para pêlos brancos: um gene para manchas brancas (S/s), um gene para gatos brancos (W/w) e um gene para albinismo (C/c).

Um gato com gene de pêlos pretos e gene de manchas brancas é um gato “frajola” – preto com branco. Uma gata com genes pretos em um X, genes laranjas no outro X e genes de manchas brancas em outro cromossomo é uma gata… tricolor!

tricolor

Agora, tanto um gato com genes pretos e uma gata com genética tricolor serão totalmente brancos se tiverem o gene dominante de pêlos brancos (W_). Esse gene faz com que o gato tenha pouquíssimos melancócitos, que produzem a cor, então não importa se ele seria laranja ou preto, a cor não será produzida e ele será um gato branco!

E tem mais. O gene de albinismo é diferente do gene branco, ele tem a ver com uma enzima chamada tirosinase, que é um elemento fundamental para a produção de cor. Isso faz com que gatos albinos ou sejam 100% brancos e de olhos rosados, ou siameses.

Então siameses são albinos? Sim, eles têm um tipo de albinismo. Surpreendente não é? O que acontece com os siameses, e alguns outros gatos, é que a enzima que produz cor depende da temperatura do corpo. Então nas extremidades (patas, rosto, orelhas e rabo) o organismo produz mais cor e a região fica escura. No resto do corpo, que é mais quente, a cor é mais fraca.

albino siames

E gatos rajados? Tigrados? Marrons? Desbotados? E o pêlo comprido dos persas? Mais genes! Muitos, muitos outros genes! Milhares de genes, e bilhões de combinações. E se a coisa já está confusa até aqui… é melhor deixar o resto para outra matéria.

gato marrom

Fotos: Augie Ray, VanessssaRobert Couse-Baker e Meredith Leigh Collins.

Fonte: http://gatinhobranco.com/