Queimaduras nos Coxins – Almofadinhas das Patas

Você já andou descalço no asfalto quente nos dias de verão? Viu o que acontece? Pois é, com o seu cão pode acontecer a mesma coisa.

O clima quente representa muitos perigos para os cães. A maioria dos proprietários sabe que os cães podem sofrer insolação, ter hipertermia e queimaduras solares, mas muitos ignoram as queimaduras nas “almofadinhas” das patas. Um simples passeio no parque ou mesmo nas calçadas pode causar sérios ferimentos e queimaduras nas almofadas das patas (coxins).

O pior é que os ferimentos de uma almofada da pata de um cão são difíceis de tratar. Cortes, queimaduras, descolamento da pele dos coxins, bolhas e feridas são propensos a infecções e a cicatrização é lenta devido à constante pressão colocada na pata quando o cão anda ou simplesmente fica em pé.

COMO PREVENIR ISSO?

– O primeiro passo é ter bom senso na escolha do horário e local de passeio e NUNCA levar o seu cão para acompanhar um passeio de bicicleta ou mesmo uma corrida longa.

– Passear com o cão no início da manhã ou à noite e evitar calçamentos e asfaltos ou mesmo areia quente da praia.

– Passear com o cão na grama. Nesse caso, a escolha de parques pode ser uma boa opção.

– Faça caminhadas frequentes com o cão em pisos mais áspero (mas nunca quente). Isso ajudará a endurecer as almofadas das patas de um cão, promovendo a formação de uma pele mais grossa e menos sensível a queimaduras e abrasão. Os cães que andam somente em piso liso e macio (apartamento e tapetes) terão almofadinhas mais sensíveis e finas, exigindo cortes de unhas frequentes.

– Hidratar as patas do cão com hidratantes caninos evita rachaduras e descamação que podem causar lesões e dor.

SINTOMAS DE LESÕES NOS COXINS (ALMOFADINHAS):

– Dor local, levando a mancar, principalmente em passeios e pisos mais ásperos.

– Evitar de colocar as patas no chão

– Lamber constantemente as patas.

– Evitar que toquemos nas patinhas.

– Sangramento local.

– Presença de bolhas, descolamento da pele dos coxins e MUITA DOR LOCAL.

TRATAMENTO:

Queimaduras e cortes na almofada da pata são muito propensos à infecção e causam muita dor. Para o tratamento, é necessário realizar uma limpeza profunda, o uso de pomadas no local e bandagem, além do uso do colar protetor para que o animal não arranque o curativo e/ou lamba a ferida. Analgésico e antibióticos orais também devem ser usados.

Adotar ou comprar um cão: qual a melhor escolha?

Quem consegue viver sem um amigo peludo? Quem já teve um cachorrinho de estimação sabe muito bem como é bom chegar em casa e ser recebido com um rabinho abanando e muita alegria. É por isso que você está pensando em ter um cachorrinho em casa? É comum quem está nessa fase, de se programar para ter um novo integrante na família, ficar na dúvida se deve adotar ou comprar um cão. Você já pensou nisso?

Eles precisam de você

cao abandonado na ruaSe você sair na rua certamente verá algum cão abandonado. Muitas pessoas se empolgam, compram um cão enquanto filhote e se esquecem que eles crescem e vivem mais de dez anos.

O cão acaba ocupando mais espaço, come mais, gera mais gastos. O tutor nota que não está preparada para dar todo o amor que ele precisa e acaba o abandonando.

Isso é um grande problema de saúde pública. Esses cães acabam rasgando lixo em busca de alimento e, consequentemente, acabam fazendo sujeira. Além disso, entram no cio, se reproduzem pelas ruas e aumentam o número de cães abandonados.

Como estão abandonados à própria sorte, acabam não recebendo nenhum cuidado, ou seja, não são vacinados, não são vermifugados, adoecem, sofrem e se tornam um problema.

Como muitos adoecem e acabam atropelados, algumas instituições se comovem e os adotam. Há várias ONGs de proteção animal, mas mesmo com empenho e força de vontade dos voluntários, elas acabam não dando conta do número de animais abandonados. A maioria delas já está superlotada, sem espaço para recolher mais nenhum animal e por isso precisam de alguém que adote. Pode ser você?


Com a adoção você está ajudando toda a sociedade

adotar é um ato de amorComo falamos, os cães abandonados acabam se tornando um problema social, e é por isso que quando a pessoa resolve ter um peludo em casa, deve considerar com carinho a possibilidade de adoção. Se você adotar ao invés de comprar estará ajudando a tirar um cãozinho das ruas, diminuir o seu sofrimento e a liberar espaço nas ONGs para que eles possam continuar com seu trabalho e recolher novos cães. Viu como com apenas uma ação você estará colaborando com todos de várias formas?

Em troca, ganhará um amigo fiel e eternamente grato pelo seu gesto, que passará longos e belos anos ao seu lado, sempre com um rabinho abanando. Por isso, a dica é fazer um bem maior ao ter um pet de estimação. Ao invés de comprar, adote!

Para ter a certeza de que está preparado para cuidar do peludo por mais de dez anos, avalie bem as suas condições financeiras, o espaço que você tem dentro da sua casa ou apartamento e o temperamento do cão que mais se adéqua às suas condições. Depois disso, é só adotar!

Núcleo Vet

Raiva Felina

Raiva felina ou raiva em gatos é uma zoonose, ou seja, uma doença transmissível ao homem e vice versa, causada por um vírus que tem a capacidade de atingir qualquer espécie de mamífero.

Raiva Felina atinge o sistema nervoso

Quando o vírus entra no organismo, multiplica-se rapidamente e atinge o sistema nervoso e glândulas salivares, onde se replica e passa a transmitir aos outros animais através da mordedura. Nos gatos, com o hábito de se lamber, o vírus pode ficar presente nas unhas, sendo também uma forma comum de transmissão.

Sintomas de raiva felina

Os sinais clínicos apresentados por um animal infectado varia de alterações sutis de comportamento, anorexia, fotofobia (animal fica com aversão à luz) hidrofobia (aversão a água, não conseguindo deglutir e engasgando), febre, crises convulsivas, paralisias, agressividade, salivação excessiva, evoluindo para o coma e a morte.

Tratamento da raiva felina

Não existe tratamento para a raiva felina, sendo que animais diagnosticados evoluem rapidamente para o óbito, e quando isso não ocorre é realizado a eutanásia do animal.

Prevenção da raiva felina

Prevenção da Raiva felina

A prevenção da raiva felina é feita através da vacinação anual de todos os animais, a partir de 4 meses de vida. É uma vacina obrigatória por lei, e pode ser aplicada gratuitamente nos centros de controle de zoonoses e nas campanhas da prefeitura.

Vacinação em gatos

Núcleo Vet

Sangramento nasal em cães

Sangramento nasal em cães é um sintoma bastante comum. O animal pode sangrar de um lado só ou nas duas narinas. O problema é sempre sério, pois pode levar o cão à um estado de anemia profunda.

As causas mais comuns são:

– Doença do carrapato: Ehrlichiose ou Babesiose são os nomes das doenças mais comuns transmitidas por carrapato que podem causar sangramento nasal.

– Corpo estranho: Muitas vezes, um corpo estranho como pedaços de pau, grama, sementes etc., entra nas narinas do cão, causando sangramento. Geralmente acontece de um lado só.

– Problemas dentários: Problemas nas raízes dos dentes, principalmente os caninos (doença periodontal severa), podem chegar a perfurar o osso nasal e causar sangramento.

– Envenenamento: O sangramento pode ser por veneno de rato, por picada de cobra ou qualquer outro químico que diminua a coagulação sanguínea.

– Tumores nasais: São comuns em animais mais velhos e às vezes mais difíceis de serem curados.

Para dar um diagnóstico da causa do sangramento precisaremos fazer, além da consulta, exames de sangue, radiografia, rinoscopia e até tomografia, em alguns casos, para dar uma rápida solução ao problema. É sempre um desafio encontrar a causa do sangramento nasal e tratá-lo o mais rápido possível.

Nucleo Vet

Quero um gato: e agora?

Dicas: o que você tem que saber antes de adotar um gato, cuidados na segurança em casa, janelas e prevenção de doenças.

Você está pensando em adotar um gatinho? Além de fofos, companheiros, tranquilos e brincalhões, eles gostam de ter a sua independência respeitada. Tudo isso faz com que os bichanos sejam pets incríveis para ter em casa. Mas será que você é um bom dono para um felino? Está preparado para isso? Tem tempo e condições para cuidar de um gato por mais de 15 anos? Responder positivamente a essas questões é essencial antes de adotar um gatinho!

Será que você está preparado para ter um gatinho de estimação?

gato de estimação

As duas coisas que você deve saber antes de adotar um gato é se você está pronto para isso e se será um bom tutor. Você conhece bem o temperamento de um felino? Gatos são muito diferentes de cães e é importante que você saiba disso e tenha a certeza de que ele é o animal ideal para ser seu pet.

Embora muito carinhosos, gatos não são tão grudados quantos os cachorros. Não vão esperar abanando o rabo nem pular em você quando você chegar do trabalho. Pode ser até que ele recebam você e ronronem, mas se não fizerem isso, é importante que você não se decepcione. Não significa que não gostam de você. É que eles não estavam com vontade de interagir e preferiram continuar quietos no canto deles, entende?

Mesmo independentes, eles precisam de atenção. Você tem tempo para isso? Eles também precisam brincar e serem estimulados a se movimentar. Isso por pelo menos 15 anos de vida. Você está preparado?

Além disso, requerem diversos cuidados como ração adequada, vacinação, água fresca, caixinha de areia sempre limpa, escovação, controle de parasitas, medicamentos caso adoeçam, visitas frequentes ao médico veterinário, cama confortável e quentinha, muito amor e carinho. Você tem condições de oferecer e custear tudo isso? Tem tempo hábil para cuidar bem de um gato de estimação? E a sua família, aceita bem um gato em casa?

Lembre-se de que a adoção ou compra de um animal é um compromisso que você assume por toda a sua vida. Por isso, além de você querer ter o pet, é preciso que toda a família esteja de acordo. Por exemplo, se tiver uma pessoa alérgica na casa, a sua família não pode ter um gato e você precisa desistir da ideia.

A casa precisa ser preparada para ele

A casa precisa ser preparada para o gato

Se até agora você se encaixou bem em todas as necessidades que o bichinho precisa, chega a hora de pensar no seu lar. Caso more em apartamento, precisará colocar telas nas janelas para evitar que ele tente pular e se machuque. Além disso, alguns condomínios têm restrições a animais de estimação. Embora legalmente você possa ter um gato em casa, se o seu condomínio tiver alguma objeção quanto a isso, pode ser que você tenha alguns incômodos. Esteja preparado.

É válido lembrar que nenhuma convenção de condomínio pode tentar impedir que você tenha um gato de estimação, de acordo com a legislação. Basta que você siga as regras básicas de higiene que ninguém poderá reclamar.

Segurança dentro de casa

Gatos adoram escalar! Remova, então, objetos quebráveis ou valiosos de mesas baixas ou prateleiras em que eles possam subir. Esteja atenta a possíveis rotas que permitam a seu gato alcançar prateleiras altas ou superfícies de trabalho, e mude a disposição da mobília. Banquetas, abajures, enfeites de parede e cortinas são todos escaláveis para um gato. Considere colocar temporariamente uma fita duplamente adesiva, ou filme plastico, ou folha de alumínio ao redor das beiradas de mobílias que você deseja manter fora do alcance de seu gato até que ele aprenda a deixa-las em paz. Gatos não gostam de texturas e evitam pisar nelas. Escalar e arranhar são comportamentos naturais de um gato. Certifique-se de que ele tenha espaço para essas atividades, tais como postes arranhadores e algo que ele possa escalar com segurança.

Telas nas janelas

gatos-na-janela-cuidados

Colocar telas nas janelas permitirá que você as deixe abertas para ventilação, com a segurança de saber que seu gato não poderá escapar.

Dicas importantes:
Produtos Químicos Produtos químicos representam um perigo óbvio. Mantenha-os trancados em lugares que o gato não possa alcançar. Se algum produto cair no chão, limpe-o imediatamente.
Produtos Toxicos  Fique atento aos produtos Tóxicos para gatos como limpadores de carpetes e sprays contra insetos

Plantas perigosas para gatos

Plantas perigosas para gatos

Algumas plantas, se ingeridas, são Tóxicas para os gatos. Mantenha plantas caseiras fora do chão e mesas baixas, e cubra a terra com lascas ou pedrinhas para desencorajar escavações. Se seu gato aprecia mordiscar plantas dentro de casa, compre gramíneas especiais para gatos e mantenha-as longe das outras plantas, para evitar que ele as confunda.

Plantas perigosas
Dentro de casa Comigo ninguém pode, Bico de papagaio, Visco branco, Lírios, Cactos, Bulbos de vaso(açafrão, narciso), Filodendro(Imbé)
Fora de casa Azaleia, Hortênsia, Erva moura, Oleandro, Charuteira, Folhas de tomate, Folhas de batata, Rododendro, Teixo, Acônito (capuz de monge)

Se você se sente apto e pronto para enfrentar todas as necessidades felinas, é só escolher o seu e adotá-lo.

Núcleo Vet